quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010


O que fomos...

O que somos...

Por onde temos andado...

Onde estamos...


Fomos trégua em temporal
margens de lago sonhado...

Caravela em mar da palha...

Fado e pedras de calçada...

Fomos foz de rio nosso
flor ao anoitecer...


Fomos desejo
vontade de ser
abraço beijado...

Onde sempre estivemos...

Onde estamos.


Tristão e Isolda

10 comentários:

Vieira Calado disse...

Simples, escorreito e bonito,

este poema!

Cumprimentos meus

Marta disse...

Nesse labirinto tranquilo que é amar....
Lindo, terno, simples...
Adorei...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Wanderley Elian Lima disse...

Dúvidas, questionamentos, interrogações é tudo que fizemos e temos durante toda vida.
Um lindo fim de semana para vocês
Beijos

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

E assim são as perguntas de quem ama, onde as respostas sempre vem em forma de amor.

--------------------

Final de semana chegando e a correria diminuindo. O negócio é curtir a desaceleração dos afazeres e sentir que a preguiça nessas horas tem seu valor. Então, vou deixar uma música que acho maravilhosa, pode ser?

É essa:

http://www.youtube.com/watch?v=VqVwY5PJNGw

Maravilhoso final de semana.

Rebeca


-

Multiolhares disse...

Já fomos tanto e ainda tanto poderemos ser, a alma é imortal
beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Um belo poema, que presumo ter sido escrito por ambos.
Gostei das vossas palavras.
Caros amigos, boa semana.
Abraços e beijos.

poetaeusou . . . disse...

*
a profunda simplicidade,
belas palavras . . .
,
somos o mar,
na imensidão de sermos . . .
,
conchinhas,
,
*

Secreta disse...

Fomos e somos tudo, nos labirintos incertos da vida.

Reflexo d Alma disse...

Linda segunda de carnaval!
Bjins entre sonhos e delírios

"Quando meu amigo está infeliz, vou ao seu encontro; quando está feliz, eu o espero."
Henri-Frédéric Amiel

Reflexo d Alma disse...

Saudades viu?
Linda segunda de carnaval!
Bjins entre sonhos e delírios

"Quando meu amigo está infeliz, vou ao seu encontro; quando está feliz, eu o espero."
Henri-Frédéric Amiel