quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009







Não me fales
dos intermináveis mares
que sozinho atravessaste.
Nem das noites sem estrelas
que acordavam tua dor.
Nem das lágrimas de solidão
que gelavam tua alma.
Nem do peso dos dias
que te impediam de caminhar.
Fala-me
daquele dia de sol
que te levou ao lugar
onde bebeste
da água da vida.
Fala-me
da frescura dessa água
que nos fez renascer.

Isolda

6 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
caminho sedento
de um lugar ao sol
na busca serena
da fonte da vida,
,
Faladas conchinhas
,
*

mundo azul disse...

__________________________________

Guardar na lembrança, apenas o que nos fez feliz...Esse é o segredo!

Belos versos!


Beijos de luz e o meu agradecimento pela gentil visita!!!

_________________________________

Vieira Calado disse...

Os dias de sol (mesmo em sentido figurado) eis o que procuramos.

Bem haja

Multiolhares disse...

Os dias tristes em que a lus faltou são para serem esquecidos, é o sol que abrilhanta a vida esse sim deve de ser recordado
bj

Paula Raposo disse...

Obrigada pela visita. Beijos.

Palavras sem rumo disse...

Renascer das águas,e viver na felicidade de um eterno amor


Beijos